Siga-nos

OiCanadá

Educação

O caminho das pedras pra estudar em Ontário

Em recente matéria da nossa colega Amanda Abreu no OiCanadá sobre como encontrar ensino de qualidade, pude reparar que várias pessoas ficaram interessadas em saber mais sobre como é estudar no Canadá. Como já passei por esse caminho, decidi escrever este post para clarear a visão daqueles que pretendem conseguir uma vaga em instituição de ensino superior e também para aqueles que gostariam de aplicar para subsídio do governo.

Antes de qualquer coisa, vale lembrar que estudei na George Brown College. Meu caminho foi ligeiramente diferente do caminho percorrido por pessoas que entraram para uma universidade, onde são oferecidos cursos mais longos, mas o processo é muito similar. No caso de uma universidade, você pode seguir os mesmos passos que irei descrever, com exceção da inscrição, que deve ser feita diretamente na instituição em que você pretende estudar.

O primeiro passo é consultar o site da Ontario Colleges. Vale o toque de que existem duas categorias de estudantes: os internacionais e os residentes. Bem, se você for cidadão ou residente permanente, tem direito a um subsídio, uma espécie de empréstimo estudantil para os seus estudos através de um órgão chamado Ontario Student Assistance Program (OSAP). Por pertencer à província, este lida somente com faculdades e universidades localizados em Ontário. O OSAP é um órgão independente que não tem nada a ver com as instituições de ensino, lidando apenas com a parte financeira dos estudos. Portanto, não adianta entrar em contato com eles na busca por informações sobre cursos, custos, pagamentos, etc.

Cada província possui o seu próprio órgão de subsídio educacional. Se você estiver interessado em cursar em uma instituição de outra província canadense, basta procurar o órgão equivalente. A ajuda financeira é um processo independente e final, já que você precisa primeiro ser aceito em sua faculdade.

O que fazer

Ao acessar o site da Ontario Colleges, crie uma conta e coloque seus dados pessoais e histórico educacional. Neste perfil existe um campo onde você deve preencher os cursos escolhidos e os locais onde são oferecidos. No meu caso, escolhi o curso de culinária Chef Training, oferecido por duas colleges em Toronto e em outras cidades da província como Niagara Falls e North Bay. Como sou residente de Toronto, dei prioridade para as localizadas aqui. Você tem direito a até cinco escolhas, mas pode priorizar as suas preferências, colocando-as em ordem (primeiro lugar, segundo, etc.)

O próximo passo é mandar para eles uma cópia traduzida do histórico e diploma de segundo grau, assim como os documentos das outras faculdades que você cursou no Brasil. É importante lembrar que não vale apenas o diploma, precisa ter também o histórico escolar com informação das horas, notas e nomes das matérias cursadas. Eu me preocuparia em reconhecer apenas o segundo grau, ou ensino médio, já que este é requisito fundamental para que você seja aceito em uma instituição de ensino superior. Também é necessário pagar uma taxa para que a equivalência seja feita. A faculdade não está interessada em saber se você já tem outro curso superior, ela quer saber apenas se você possui ensino médio completo.

Bem, meus diplomas foram reconhecidos e então o Ontario Colleges, com o reconhecimento do meu diploma, deu o sinal verde para que as faculdades que eu escolhi possam então analisar o meu pedido. Todas as faculdades que escolhi entraram em contato comigo via carta, agradecendo a preferência e explicando como o curso funciona, panfletos, etc. Eu decidi então optar pela George Brown, que me mandou uma carta de aceitação. Com essa carta, você dá a autorização para que o Ontario Colleges e a instituição de ensino efetuem a sua matrícula.

No meu caso, fui aprovado, mas a faculdade tem o direito de não aceitar o aluno que tiver notas fracas, ou se achar que ele não fez todas as matérias equivalentes ao ensino médio daqui, ou até mesmo por falta de vagas.

Mais o que a faculdade pode exigir de você? No caso das colleges daqui, é preciso fazer um teste de inglês e matemática. Isso é válido até para os estudantes canadenses, portanto não se sinta discriminado. O teste é super fácil e rápido, já que é feito com hora marcada em um computador da própria instituição.

Fui aceito, e agora?

Bem, como falei acima, o último passo foi aplicar para o OSAP, que em termos simples é o pedido da grana que você precisa para custear os seus estudos. Eu apresentei os meus rendimentos através de imposto de renda e situação empregatícia. O órgão também quer saber se você é casado ou solteiro, se mora com os pais ou alguém que possa custear os seus estudos. Como sou solteiro, não tenho família aqui e nem uma renda alta, consegui provar para eles que não tinha condições de custear os meus estudos sozinhos. Isso tudo acontece na mesma hora em que você preenche o cadastro na página deles. Consegui o máximo que eles podem dar, mas acho que isso é assunto para outra coluna.

Caso você não seja residente nem cidadão canadense, o site do Ontario Colleges possui uma seção especial que se chama International Students. Lá existe todo o caminho que deve ser seguido por um estudante não residente na província de Ontário. De qualquer forma, os passos são os mesmos, já que você tem que escolher o seu curso e as instituições que o oferecem.

Outros auxílios

Enquanto estiver cursando a faculdade, você ainda tem o direito de aplicar para várias formas de auxílios estudantis. Basta fazer uma procura pela palavra BURSARY, que são, basicamente, fundos disponíveis para ajudar os estudantes a completarem a faculdade até o fim e evitar a evasão de alunos por alguma dificuldade financeira. Eu apliquei para uma série de BURSARIES e fui contemplado com várias.

Existem algumas formas de auxílio: eles podem dar o dinheiro diretamente para você, destinar o dinheiro para abater o valor do seu empréstimo estudantil (OSAP) ou, ainda, enviar o dinheiro direto para a sua faculdade, para que seja abatido nos valores das mensalidades (tuition). Optando por uma das duas últimas opções, quando você acabar a faculdade, não terá uma dívida tão grande.

É importante lembrar que essa é uma experiência pessoal. Cada caso é um caso. Existe ainda uma ajuda anual de C$300 que todo o estudante de Ontário recebe para ajudar a comprar livros e investir em tecnologia (compra de laptops ou computadores).

Em minha opinião, achei tudo muito descomplicado e organizado. O meu empréstimo demorou dois dias para sair, ou seja, aqui o governo facilita muito a sua vida se você quiser realmente estudar. A faculdade possui diversos departamentos de ajuda aos estudantes e existe até banco de alimentos para o caso de você não ter condições de pagar a sua própria comida. Oportunidades não faltam.

Enquanto era aluno na George Brown, tinha acesso a uma academia de ginástica gigantesca com uma bela piscina, além de seguro de saúde especializado, tratamento dentário, psicológico e oculista. Realmente, não tem desculpa para não terminar uma faculdade aqui. Fora tudo isso, ainda existe auxílio moradia, descontos no imposto de renda, no passe mensal de transporte, em lojas, auxilio vestuário e para achar emprego que se encaixe com o seu horário (part-time). Existe também um serviço de tutoring dentro da faculdade, feito pelos próprios alunos, que te ajudam com as matérias em que você esteja pendurado, e várias outras vantagens.

Conclusão, eu adorei o tempo que passei fazendo a minha college. Confesso que o fato de já ser residente ajuda bastante e descomplica muita coisa. Apesar de ser o único estrangeiro da minha turma, eu via milhares de estudantes de outros países pela faculdade, o que demonstra que estudar aqui não é coisa impossível. Não se deixe desmotivar por ser imigrante.

Continue lendo
Publicidade
Leia também...

Após ter trabalhado em várias empresas como a Air Canada e IBM, Rafael se formou pela George Brown College em Artes Culinárias, mesmo tendo diplomas nas áreas de Ciência da Computação, Linguística e Literatura. Mesmo com o curso de culináriia, ele está sempre em busca de novas aventuras no mundo gastronômico, seja descobrindo novos ingredientes ou provando pratos inusitados. Hoje em dia, Rafael Alcantara atua como intérprete e tradutor oficial para a imigração canadense, a Corte de Justiça da Cidade de Toronto e integra o corpo de intérpretes do maior hospital do Canadá.

14 Comentários

14 Comments

  1. Rafaela Pedrosa

    24/mar/2013 at 11:38

    Rafa boa tarde!
    Estou terminando minha faculdade de Engenharia de Produção aqui no Brasil, e estou querendo muito para o Canadá me especializar. Dizem que lá para engenharia é o top dos tops para questão de cursos e emprego. Só que estou com muita duvida entre as cidades de Ontário, Toronto, Vancouver.
    Você tem alguma dica pra me dar sobre esses cursos na área tecnológica?
    Obrigada

  2. Magaly Pazello

    18/ago/2011 at 14:02

    Adorei! Vem cá e a receitinha dessa sobremesa (é um docinho é?) aí da foto, vc pode postar também? Fiquei com água na boca :-)

  3. Gabriella

    12/maio/2011 at 15:29

    Oi Rafa, tudo bom?
    Eu tenho 16 anos e estou terminando o 3º ano do ensino médio. Eu pretendo trabalhar no Brasil até completar 19 anos, para poder juntar uma graninha, e fazer um curso de paramedic na Humber College. Já pesquisei todas as informações sobre o curso, mas ainda restou dúvidas e eu agradeceria muito se você pudesse me ajudar nessas questões: sobre admissões para mature students, é preciso realizar uma prova ou somente o ENEM basta? e quanto a diferença dos anos de ensino entre os dois países, eu preciso completar meu histórico com 1 ano de curso/faculdade no Brasil ou não é necessário com a nova lei do 9º ano?

  4. Rafael

    23/fev/2011 at 13:55

    Oi Rafa, td bem?
    Cara, pretendo fazer minha pos mna GBC tbm.
    Porem pretendo ir com o visto de estudante. Ate pq n tenho TOEFL ou IELTS para o visto de residente. É necessário certo?
    Como estudante, tbm posso tentar essas ajudas de custo para pagar a pos? O seu curso era full-time ou part-time? Pelo q vi só tem full-time. Certo? Queria estudar e trabalhar.
    Abs
    Rafael.

  5. Rafael

    11/mar/2010 at 07:19

    André a mesma regra vale para o Brasil. Se voce quer cursar uma pós-graduação aqui precisa submeter o seu histórico e diploma de cursos superiores. Agora se quiser fazer uma faculdade aqui, precisa então submeter o seu diploma de conclusão de segundo grau ou ensino médio como o supletivo. O supletivo também tem todas as suas notas e os nomes das matérias que cursou.
    Caso deseje fazer faculdade, não precisa submeter os diplomas de curso superior ou pós-graduação porque eles querem apenas saber se você tem o Ensino Médio.

  6. André

    10/mar/2010 at 17:56

    Tenho Curso Superior e Pós-graduaçao, mas fiz Exame Supletivo. Como proceder neste caso? Posso cursar algum curso superior ou pós apresentando o certificado do ensino médio (supletivo) e o diploma do curso superior e da pós-graduação? Fiquei confuso…

  7. Anny

    08/mar/2010 at 20:27

    Ei Rafa!! To pensando em fazer um college ai no canada.. isso serve para qualquer área?? E o custo do college, principalmente pra quem nao é residente, é muito altoo???

  8. Dani

    07/mar/2010 at 19:27

    Nossa Rafa, e eu lembro quando você estava no processo para iniciar o College. Adorei o texto! Claro e inteligente como sempre!
    Quero linkar no meu blog? Pode?
    Beijos
    Dani (Lázaraaaa….hahahaha)

    • Christian Pedersen

      07/mar/2010 at 20:26

      Ola Lázara, Obrigado por postar comentário no OiToronto. Você pode linkar o texto no seu blog sim, aliás, podíamos trocar links. Qual é a url do seu blog? Temos uma area com links para outros blogs.
      Atenciosamente,
      Christian Pedersen – Editor OiToronto

  9. Felipe Brum

    06/mar/2010 at 21:12

    Adorei a matéria,um dia se Deus quiser estarei estudando ai no Canada.
    Abraços

  10. Martha

    06/mar/2010 at 05:42

    rafa, muito legal.
    show!

  11. Flavia

    05/mar/2010 at 13:03

    Adorei a matéria, ficou a dica de uma nova matéria esclarecendo como funciona o OSAP,obrigada.

  12. Fernando S.

    05/mar/2010 at 05:54

    AGORA SIM! Devia ter vindo aqui antes. Finalmente alguem decidiu contar detalhadamente como proceder se quisermos estudar fora. Excelente artigo. Nivel de Revista Veja – pelo visto nosso amigo Rafael Alcantara estava interessado mais na faculdade do que os barzinhos no final de semana. Vou mandar meus amigos lerem esse artigo. Parabens de novo. Nota 1000 pela clareza e objetividade do artigo.

  13. Fernanda Thiesen

    Fernanda Thiesen

    05/mar/2010 at 01:38

    Eh otimo saber esse processo detalhado e que ha tantas facilidades para quem quer estudar. Valeu, Rafa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em: Educação

Receba as novidades do blog por email

Digite seus dados abaixo para assinar nosso boletim e receber todas as novidades do blog em sua caixa postal. É de graça e você pode se descadastrar a qualquer momento.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
Topo