Siga-nos

OiCanadá

Experiência

Confusão no streetcar

No verão que passou, Eliana Rigol presenciou discussão entre passageiro e motorista de streetcar que acabou em agressão, bonde parado e polícia no local.

Era sexta-feira de verão, tínhamos acabado uma longa sessão de fotos no Harbourfront, mais exatamente no Music Garden. Tomadas ainda de um sentimento de afeto que só bebês provocam, eu e minha sócia terminamos o trabalho e fomos pegar um suco no local em frente. Dali, nosso plano era encontrar o pessoal para jantar no Kensington Market, num boteco qualquer.

Em Toronto, às 7pm, entramos no streetcar da Spadina, quase na beira do lago. Ao entrar, vi uma discussão do motorista com um passageiro. O rapaz, um moço com cara de nerd, bermuda xadrez, camisa e óculos, não parecia muito afeito a brigas e ainda assim eu achei que ele não estava com a razão. Confesso que a primeira coisa que pensei ao entrar no bonde foi: ih, esse cara tá arrumando confusão. Quantos são os julgamentos que fizemos todo dia sem o menor lastro de realidade. Mas, voltando à cena do crime, o rapaz insistia para o motorista que lhe desse o transfer, já que ele tinha direito de pegar outro transporte sem pagar a tarifa na sequência.

A discussão se acalorou e eu me sentei junto com minha amiga. Só que o negócio ficou violento e quando menos esperava eu já estava ao lado do motorista tentando impedi-lo de agredir o rapaz. Fato foi que na insistência de pegar o transfer o rapaz pôs a mão no papel de um jeito insolente e o motorista descontrolado saltou no pescoço dele e o forçou contra a porta do streetcar. Aquilo não me sai da cabeça. Foi agressivo, desproporcional e humilhante até para mim que estava presenciando, imagina para o cara que estava sofrendo o peso do braço do motorista na sua garganta.

Ninguém dentro do bonde se manifestou contra o que estava acontecendo. O rapaz perguntou se ninguém ia fazer nada. Tinham muitos homens ali dentro e nenhum se mexeu. Eu e uma senhora portuguesa ficamos em cima do motorista para que ele soltasse o rapaz. Naquela hora, o motorista já vermelho falou furioso para que o rapaz fosse embora, pois estava atrasando a todos. Só que ele estava muito nervoso, ofegante, assustado e humilhado para sair e deixar assim. Ficou parado na porta e ligou no ato para a polícia. Avisou a todos que ficaria porque coisas como aquela não poderiam mais se repetir. O motorista saiu furioso dizendo para os passageiros que deixassem o bonde que outro viria logo a seguir. Daí eu pensei: mas agora quero ver quem me tira daqui.

Fiquei a par da história toda naqueles minutos tensos que se passaram. O guri tinha pego o bonde errado, pagou e sentou. Quando se tocou que precisava pegar outro bonde, pediu informação, o motorista não deu e ainda mandou ele ir embora sem o transfer. Não é de hoje que os usuários dos streetcars reclamam do mau comportamento dos motoristas. Não é de hoje que a obediência e temperamento ameno fazem com que todos aguentem calados.

A história não termina aqui, só começa. Todos dentro do bonde saíram, alguns muito irritados com o rapaz por ter feito o chamado para a polícia. Todos, exceto minha amiga, eu e uma senhora portuguesa que presenciou tudo desde o começo. Vimos que ele estava sozinho. Vimos que o motorista do streetcar tinha chamado o pessoal da sua equipe que já estava lá ao seu lado, defendendo sua versão da história. Nessa hora, sem saber como aquilo terminaria, dei para o rapaz meu cartão, caso ele precisasse de testemunha. Ele nos agradeceu com olhar solitário e pediu desculpas por estarmos passando por aquilo.

O supervisor da TTC entrou no bonde nervoso e nos mandou descer. Falamos que dali só sairíamos quando a polícia chegasse. O rapaz nos agradeceu a companhia e apoio. Só que os policiais demoravam e o tempo passava e a noite começou a cair. O supervisor da TTC estava determinado a intimidar todos, a fazer com que desistíssemos. Tentou separar a senhorinha portuguesa para impedi-la de dar seu telefone para o rapaz. Nós não fomos embora como ele gostaria, permanecemos. E a polícia chegou e acompanhou todo o desenrolar.

Ficamos olhando o modos operandi da polícia de Toronto, afinal como habitantes da cidade, importa saber como isso funciona aqui. Os policias conversaram com as duas partes e depois reuniram todos para falar. O motorista será investigado, ganhou uma advertência escrita e terá sua linha trocada. O rapaz, que foi acuado pela TCC, se sentiu mais tranquilo quando os policiais chegaram. E nós, que já estávamos exaustas daquela brincadeira, seguimos nosso rumo faceiras de saber que tudo terminou bem e o rapaz estava seguro.

Dois dias depois, quando já havia esquecido o ocorrido, recebi um email do rapaz agradecendo nossa atitude e contando todo o resto. Ele disse que ficou muito feliz em saber que existem pessoas solidárias numa cidade grande que se determinam a perder a noite de sexta-feira para ajudar um desconhecido.

O que ele falou me fez pensar. A vida na cidade grande pode ser menos civilizada do que entre animais. Um pouco selvagem para mim. Assim, passar aquele tempo ali, entre aquelas pessoas, foi mais uma lição do quanto podemos nos colocar no lugar do outro. Ele poderia ser eu e eu não gostaria de me ver sozinha depois de ter passado por uma violação presenciada por tantos.

Agimos instintivamente. Agimos com o coração e não foi coincidência só terem ficado mulheres dentro daquele bonde. Fazer o bem pode ser simples e rápido e outras vezes exige tempo e paciência, mas sempre vale a pena quando acreditamos que atitudes limpas não são as mais convenientes e sim aquelas que não deixam margem para dúvida. E ajudar nunca deveria nos fazer titubear.

Continue lendo
Publicidade
Leia também...
Eliana Rigol

Eliana Rigol é uma inquieta faceira nascida no sul do mundo. É autora do livro "Moscas no Labirinto" e cotidianamente deixa as ideias fluírem num blog que mantém há muitos anos. Advogada por formação, adotou a fotografia e a escrita como formas de tornar a vida mais leve. Migrou para Toronto em 2010, se tornou mãe da Luna, já rodou o mundo e voltou. Acredita no vento, no coração e no movimento.

9 Comentários

9 Comments

  1. Eliana

    19/out/2011 at 18:18

    Solange e Fernanda,

    Vocês provavelmente fariam o mesmo!
    Nem vem…hehe

    Beijos!!

    • Laura Rigol

      21/out/2011 at 06:44

      Parabens pela atitude de vcs…não esperava que fosse diferente, afinal somos seres humanos e acima de tudo: brasileiros!!!
      bjussssss

  2. Eliana

    19/out/2011 at 18:12

    Obrigada pelos comentários!
    A história terminou com um super email querido de agradecimento por parte do rapaz, que tudo valeu a pena.
    bjos!!
    Eliana

  3. Juliana

    19/out/2011 at 17:31

    Obrigada por compartilhar essa historia. Principalmente pelo ultimo paragrafo, que nos incentiva a ser humanos.
    Parabens!

  4. Lu

    19/out/2011 at 16:46

    Me lembrou das minhas discussões com motoristas de ônibus em SP.

    Ah, é TTC com dois Ts e não TCC :-)

    • Martha Rangel

      Martha Rangel

      19/out/2011 at 17:29

      Ajeitado! Obrigada, Lu.

  5. Jonas

    19/out/2011 at 11:32

    Parabens pelo exercicio da cidadania.

  6. Fabiana

    19/out/2011 at 01:04

    O TTC eh uma piada, o que Toronto tem de pior. E como se nao bastasse, ainda temos que pagar 3 dólares. Um motorista do ônibus que eu estava ate pariu para fazer xixi, na rua… Eh inadmissível. E para completar, demitir esses imbecis eh a coisa mais difícil. Maldito sindicato! Quem perde com isso? A cidade de Toronto.

  7. Carol

    19/out/2011 at 00:32

    Que historia! Parabéns pela atitude! Talvez a historia tivesse um fim muito diferente com a ausencia de vcs! E serve também para continuar a busca pelo melhor atendimento aos usuários do TTC. Eu nunca tive nenhuma experiencia ruim no ttc até hj depois de mais de 2 anos morando aqui, mas ja ouvi historias, e isso tem em qualquer lugar, aqui não é diferente, e o bom serviço nao depende só de o ttc ter bons funcionários, pois são humanos, erram, e tbm tem dias ruins, então depende tbm de nós fazermos a nossa parte em alertar a empresa e a polícia qdo uma coisa dessas acontece pra que num proximo momento eles pensem duas, tres , quatro vezes antes de agir dessa forma e não deixarmos isso virar rotina pra depois só ficar reclamando sem agir! Vocês agiram e é assim que a mudança acontece!
    Parabéns mais uma vez!
    Abrs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em: Experiência

Receba as novidades do blog por email

Digite seus dados abaixo para assinar nosso boletim e receber todas as novidades do blog em sua caixa postal. É de graça e você pode se descadastrar a qualquer momento.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
Topo