Siga-nos

OiCanadá

Papelada

Quanto custa morrer em Toronto

Ninguém nasce preparado para lidar com a morte, essa lição a vida não nos ensina. O assunto é delicado e preferimos na maioria das vezes ignorar, até que chegue o dia em que teremos que enfrentar sem escapatórias fáceis as angústias e dores do luto. Quando a morte vem para os que nos são queridos, além do sofrimento, temos que cuidar de questões práticas: você sabe quanto custa morrer em Toronto? Como proceder com a burocracia? E para os moradores ilegais?

Dependendo do tipo de serviço solicitado, os preços pesam no bolso e podem variar entre C$3,000 e C$12,000. “As casas funerárias da cidade hoje em dia oferecem pacotes com os mais variados tipos de serviços”, disse Al Crawford, presidente da Morley Bedford Funeral Service. “Pode apenas ser o enterro propriamente dito, sem cerimônias ou missas, a cremação ou um funeral completo com caixão, flores, homenagens, etc. Atendemos clientes nos momentos mais difíceis de suas vidas e temos que ser sensíveis para todas as situações”, disse Crawford. As empresas oferecem também pacotes que podem ser pagos em parcelas, são os chamados “pré-planejados”, quitados com seus clientes ainda “em vida”. Saber que os arranjos foram feitos com antecedência, pode ser reconfortante quando o momento chegar. Aliás, não tem como usar meias palavras. Para as empresas, é um negócio como outro qualquer e fica mesmo “a gosto do freguês”.

A cremação, serviço ainda pouco utilizado no Brasil, mas costumeiro por aqui, tem o preço mínimo de C$4,500, podendo chegar até a C$6,000. Em algumas cidades do interior, em regiões onde o inverno é mais rigoroso, alguns centros funerários embalsamam os corpos, preservando-os e armazenando-os próximos aos cemitérios, em prédios construídos já para esse fim, como necrotérios. Nessas ocasiões as famílias são aconselhadas a optar pela cremação. Caso escolham por não fazê-la, é aguardado que a quantidade de gelo no solo diminua, podendo assim ser concluído o sepultamento.

Burocracia

E como proceder com a “via-crúcis” da burocracia em um momento tão doloroso? Normalmente, a casa funerária escolhida pela família fará o contato direto com os cemitérios de Toronto, facilitando o processo. Algumas fazem esse intermédio de forma gratuita, apenas recebendo o pagamento dos demais serviços. Se a família já tiver o lote/jazigo comprado no cemitério, o corpo será enterrado nele, caso contrário, a empresa escolhida solicitará. A casa funerária manda a documentação para a prefeitura, que faz o registro da morte e se encarrega de enviar os papéis para a cidade de Thunder Bay, ON, onde ficam arquivados também os registros de nascimentos e casamentos que acontecem na província.

No Brasil, segundo dados do Grupo Vila, um dos maiores especialistas no ramo, um sepultamento médio fica entre R$3.500,00 e R$4.000,00. Os mais populares, esses feitos em cemitérios públicos, chegam a R$135,00. O serviço de cremação pode sair mais barato que o sepultamento tradicional: entre R$2.000,00 e R$5.000,00, dependendo da região do país. Algumas ainda não dispõem desse serviço.

Legais ou não

Para quem está longe de casa, o processo da perda é ainda mais complicado, principalmente quando estão em jogo questões legais. Como se deve proceder caso um imigrante ilegal venha a falecer? O Consulado Brasileiro em Toronto evita citar valores, diz apenas que o preço para traslado do corpo “é elevado”. Segundo informações obtidas pela reportagem, o Consulado sugere a contratação da agência funerária para dar cumprimento às exigências legais do Canadá. O custo deve ser arcado totalmente pela família, já que por impedimento legal, o Ministério das Relações Exteriores não pode ajudar financeiramente. O Consulado também providencia a expedição de atestado de óbito. Se os parentes optarem pela cremação, o valor poderá ser consideravelmente menor devido ao fato do traslado das cinzas ser mais viável que um caixão.

Caso a família não tenha como arcar financeiramente com as despesas, o sepultamento poderá ocorrer aqui, a cargo da província e de acordo com os termos da legislação local. O Consulado afirma que procura facilitar o contato com os familiares no Brasil, agilizando todos os trâmites burocráticos relacionados com a liberação do corpo.

A dúvida de muitos moradores ilegais é, caso aconteça alguma emergência, não necessariamente com casos de falecimento, ao entrar em contato com serviços como o 911, a pessoa que fez a ligação corre o risco de deportação? Segundo Mark Pugash, da Polícia de Toronto, os policiais não têm nenhuma autoridade de efetuar deportações. “Temos um protocolo a seguir e ele diz que não nos é permitido questionar sobre a situação imigratória dos cidadãos, a não ser que seja aberta uma investigação e que esse detalhe seja relevante para o andamento ou desfecho da mesma”, nos assegurou Pugash. Em contrapartida, o Consulado Brasileiro afirma, sem dar maiores detalhes, que todo brasileiro que se encontre em situação imigratória irregular, corre sim, o risco de ser deportado.

Para maiores informações sobre o assunto com o Consulado Geral do Brasil em Toronto, acesse a sua página oficial.

Continue lendo
Publicidade
Leia também...

Formada em jornalismo pela Universidade Potiguar, Amanda iniciou sua carreira no ano de 2000 em Natal, Rio Grande do Norte. Sempre cercada de livros, o gosto pela escrita, leitura e a vontade de ser jornalista vieram desde muito cedo, tão cedo que nem se lembra mais. O começo da carreira foi marcado pela atuação na área de assessoria de imprensa, com foco na comunicação organizacional, passando pela redação de um dos jornais mais importantes da cidade, até a decisão de vir pra Toronto, onde reside e atua como jornalista desde 2007. Além do jornalismo, carrega em si a paixão por livros, música, televisão, cinema e fotografia. Escrevendo para jornais atuantes na comunidade brasileira, ela agora escreve também para o OiCanadá. Curiosa, antenada e munida de um intenso desejo de aprender, para ela, conhecimento demais, ainda não é suficiente.

7 Comentários

7 Comments

  1. Marcelo De Castro Correa

    01/set/2020 at 23:04

    Gostei Sim,até porque o assunto me interessa.
    Uma vez que sou agente Funerario na cidade de Esteio R/S.
    Gostaria Muito de exercer minha profissao no Canadá.
    Seguidamente estou olhando as Casas Funerárias daí.(51)984300241

  2. Meira

    07/jan/2012 at 13:33

    Fica-se aguardando ou ao aguardo, não “no aguardo”.

  3. Andreia

    14/abr/2010 at 20:49

    Parabéns Amanda…adorei a matéria. Esclareceu todas as minhas dúvidas.

    Beijos
    Fico no aguardo da próxima matéria…

    • Luciano

      07/nov/2019 at 03:22

      Bom dia Amanda trabalho a 19 anis na France serviço funerario prétendons mudar mas nao e facil hohe tenho familia e as coisas pour aqui estao dificil vc saberia mais ou menos o salario de um coveiro pour ai muito obrigado Deus te abençoe vc e sua familia

  4. Jean

    06/abr/2010 at 20:37

    Matéria interessante e bem informativa. Vivendo e aprendendo. :)

  5. Joffre

    06/abr/2010 at 13:15

    Excelente a matéria. Só quem já passou por isso consegue entender a dimensão do momento e a burocracia envolvida. Os custos são caríssimos e a melhor forma é estar preparado para tal. Existem seguradoras que cobrem todos os custos uma vez que o cliente pague mensalmente uma mensalidade pré-estipulada. Outra ajuda (pequena) pode vir do governo canadense caso o falecido(a) esteja em dia com o Imposto de Renda e, obviamente, legal no país.

  6. Lidiane

    06/abr/2010 at 08:49

    Ótima matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em: Papelada

Posts Populares

Topo