Siga-nos

OiCanadá

Cultura

Como sobreviver morando em outro país

Permita-se sentir falta de coisas: comidas, roupas, ser capaz de se comunicar facilmente. Não se permita sentir falta de: pensar pequeno, ficar entediado, sentir-se preso.

Aprenda o idioma, mas não se chateie se for difícil e levar tempo para dominá-lo. Aproveite o período em que você pode se sentar em cafés e restaurantes e não prestar atenção nas conversas fúteis de outras pessoas. É muito mais fácil quando não se entende nada.

Acostume-se com o fato dos problemas do país não serem realmente seus. Você não pode mudá-los, então é mais fácil aceitá-los como são—fora de seu controle. Não se preocupe, é fácil se acostumar com esse sentimento. Na verdade, é reconfortante.

Use muito a Internet e veja ela se tornar até mais maravilhosa do que já é. Com um pouco de improviso, você consegue usufruir de praticamente tudo o que consumia em casa—música, filmes, livros, comidas, roupas. Quase tudo. Onde eu vivo, os estrangeiros falam muito de sentirem falta de um bom abacate. Mas isso dá pra superar.

Ligue para a sua família toda semana. Isso te ajudará a se sentir normal, e também os impedirá de enviarem mensagens reclamando da sua ausência.

Conforte-se em saber que uma vez cruzadas as fronteiras do seu país, você já começou a ganhar. Se você conseguir ficar fora durante pelo menos um ano, então existem grandes chances de você ficar por aí, mundo afora, indefinidamente. Eu passei minhas primeiras duas décadas nos EUA. Isso equivale a 1/4 de uma vida normal em um mesmo país, o que é mais do que suficiente. A partir do momento em que você coloca a inércia de morar fora em movimento, quanto mais tempo você ficar fora, mais fácil será continuar.

Saiba que a maioria dos lugares no mundo onde você poderia morar por qualquer período possui um aeroporto a aproximadamente um dia de distância. Do aeroporto seria possível chegar em casa em mais um dia. Você pode morar do outro lado do mundo e, se precisar voltar para casa, provavelmente chegará em não mais do que dois dias.

Esqueça o lugar de onde você veio, mas não esqueça das pessoas. Seus amigos não esquecerão de você. Eles irão viver suas vidas sem você, e talvez até guardem algum rancor, mas irão ouvir suas histórias.

Naqueles dias em que uma coisa simples poderia facilmente ser resolvida se você estivesse em casa, e você se sentir frustrado, e começar a realmente desejar que pudesse voltar para casa—talvez você devesse voltar. Talvez você não pertença ao mundo dessa forma. São as frustrações que mais nos ensinam coisas. Mas se você for muito durão, ou orgulhoso, ou teimoso para isso, então tente se lembrar que todo dia que você vive em um país estrangeiro, você fica melhor nisso. Cada dia que você vive fora, você aprende algo –sobre si próprio, sobre o país em que vive, e sobre como sempre há mais de um jeito de ver as coisas.

Namore com alguém do país em que você está vivendo. Ou não. Não há uma regra sobre isso. Com base na experiência de meus amigos estrangeiros, é algo que tem causado resultados variados. Quase sempre a relação melhora o entendimento do país e a facilidade com o idioma. E também, sem exceções, causa grandes frustrações e problemas. Vá em frente a seu próprio risco.

Invista em amizades duradouras. Viver junto em um local estranho cria uma forte ligação entre as pessoas. O único problema em fazer amigos é que eles, assim como você, também estão apostando no estilo de vida itinerante, e não vai demorar muito para que eles sigam para outro lugar.

Tente manter sua cabeça no lugar. Viver em um outro país pode fazer com que você se esqueça quem realmente é e de onde veio. Talvez essa até tenha sido a sua intenção. Talvez isso seja uma grande parte disso tudo. Mas ninguém jamais escapa completamente de onde veio, nem de quem é, e quando você aceitar isso, poderá se curtir muito mais. É um estilo de vida bom e interessante, se você conseguir mantê-lo sob controle.

How To Survive Living In A Foreign Country
Por Bart Schaneman—ThoughtCatalog.com

Continue lendo
Fernanda Thiesen

Fernanda é carioca, publicitária, co-fundadora e editora-chefe do OiCanadá, e web designer no SiteToaster. Imigrou para o Canadá no final de 2006 e se tornou cidadã canadense em 2011.

8 Comentários

8 Comments

  1. Claudia

    25/ago/2012 at 23:38

    Eu realmente gostei desse texto, vou fazer intercambio e estou refletindo muito sobre isso. Valeu mesmo!

  2. Fabiana

    06/jan/2012 at 22:50

    Para tudo!!! Meu , eu adorei o texto. Feliz ano novo para todos, com muita comida, dinheiro, sexo, saúde, paz e amor!!!

  3. Vinicius Fernandes

    03/jan/2012 at 14:51

    Muito Bom!!!

    Principalmente: ” Permita-se sentir falta de coisas: comidas, roupas, ser capaz de se comunicar facilmente. Não se permita sentir falta de: pensar pequeno, ficar entediado, sentir-se preso.”

  4. Murilo Elbas

    01/jan/2012 at 10:48

    parabénssssss

  5. Alessandra Delevidove

    31/dez/2011 at 15:35

    Lindo!!

  6. Simone

    30/dez/2011 at 08:31

    Amei o texto e as dicas… a vida é curta e é muito necessária curtí-la!!! Feliz 2012!!! Viva intensamente cada instante da sua vida!!!

  7. Caio

    30/dez/2011 at 02:19

    muito bom!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em: Cultura

Receba as novidades do blog por email

Digite seus dados abaixo para assinar nosso boletim e receber todas as novidades do blog em sua caixa postal. É de graça e você pode se descadastrar a qualquer momento.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
Topo