Siga-nos

OiCanadá

Dinheiro

Governo e universidades canadenses querem ajudar estudantes financeiramente

Muitos universitários e alunos de colleges não se enquadram nas ajudas financeiras até agora anunciadas pelo governo federal. O primeiro-ministro, no entanto, garante que sua equipe está analisando o problema e que em breve devem ser anunciadas novas medidas.

Que ninguém se anime muito, porém, com a possibilidade de a ajuda ser um depósito em conta. Uma iniciativa assim não está descartada, mas o mais provável é que o governo venha com uma outra estratégia: algo que gire torno do tradicional programa que subsidia o salário de estudantes entre 15 e 30 anos durante as férias de verão.

O primeiro-ministro já indicou que gostaria de ver essa faixa etária voltar às raízes canadenses e passar o verão trabalhando em fazendas ou no setor de pesca. Segundo Justin Trudeau, esta seria uma contribuição importante para o país em um momento tão complicado. 

De fato, o retorno dos estudantes ao setor ajudaria a garantir a safra deste ano, já que as plantações dependem de mão-de-obra estrangeira e temporária e ninguém sabe ainda qual será a situação das fronteiras nos próximos meses — por enquanto, a entrada destes trabalhadores está liberada, mas com a obrigação de que todos fiquem em quarentena por 14 dias após a chegada.

Fundos de emergência

A boa notícia é que algumas universidades estão se mexendo e já oferecem ajuda especial para os alunos afetados pela pandemia e que estão à beira da desistência dos seus cursos.

A Universidade do Québec em Montreal anunciou um fundo emergencial de CAD $300.000 amealhado através de doações e dedicado a quem estuda em tempo integral. A iniciativa está de olho em especial em quem tem filho ou não se qualifica para o recebimento de bolsas ou empréstimos.

O valor a ser recebido será definido caso a caso e deverá ser usado para cobrir necessidades básicas e imediatas, como alimentação, despesas médicas ou acesso a internet.

Um sistema similar também foi implantado pela Universidade do Québec em Rimouski que conseguiu somar CAD $436.000 em doações.

Na mesma província, a Universidade de Laval não só já arrecadou CAD $500.000 como também já distribuiu quase metade deste dinheiro entre seus alunos necessitados. Cada um deles recebeu até CAD $1.500 para pelo menos garantir o básico e continuar tocando a vida.

O mesmo valor foi levantado pela Universidade Concórdia que já está aceitando pedidos de apoio online. E a prestigiosa McGill também está convidando seus alunos a enviarem pedidos de ajuda ao seu departamento financeiro caso estejam com dificuldades para bancar sua sobrevivência.

Pressão e incertezas

Pelo resto do país, estudantes de outras instituições estão agora se organizando para pressionar que mais e mais escolas sigam o exemplo das instituições quebequenses e achem maneiras criativas e rápidas de ajudar os alunos que estão na corda bamba. 

Até agora, porém, nada surgiu de concreto em relação ao elefante que está dançando balé na sala cheia de enfeites de vidro: o valor da tuition, e que traz consigo o crescente endividamento dos estudantes Também não se sabe ainda o que os colleges pretendem fazer para ajudar seus alunos. Em outra palavras, ainda deve correr muita água debaixo desta ponte.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em: Dinheiro

Topo